93430_610

Beto Pereira é o nome do PSDB para disputar presidência da Assembléia

Com maior bancada na AL, tucanos querem impedir reeleição de Junior Mochi
O deputado Beto Pereira é o nome do PSDB para disputar a presidência da Assembleia Legislativa no pleito marcado para o início de fevereiro. Ontem, uma reunião de quase todos os deputados tucanos com o governador Reinaldo Azambuja, sinalizou que o partido deveria apresentar um nome de consenso para disputar a sucessão do deputado Junior Mochi (PMDB) que pretende à reeleição para o comando da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa.

Com oito deputados estaduais, o PSDB reúne a maior bancada da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul e “tem condições de tentar o cargo máximo do legislativo estadual”, disse o secretario da Casa Civil, Sérgio de Paula, confirmando que Beto Pereira é o nome escolhido pelo partido. O deputado Mauricio Picarelli, também do PSDB, pleiteava a indicação, no entanto, não conseguiu o consenso em torno de seu nome.

Embora a eleição da Mesa Diretora somente ocorra em fevereiro, analistas políticos entendem que a disposição de Beto Pereira em se apresentar como candidato, antes do recesso parlamentar, já vai polarizar a disputa, uma vez que até então somente o nome de Junior Mochi, atual presidente, estava colocado para a reeleição.

Sergio de Paula, no entanto, foi cauteloso e disse que ainda vai conversar com Junior Mochi para tentar um consenso. “Queremos garantir a governabilidade nos dois anos restantes de governo”, assinalou o secretario da Casa Civil.

Trajetória

O deputado Beto Pereira foi prefeito por dois mandatos em Terenos, quando ganhou reconhecimento em todo o Estado, pelo dinamismo e investimentos em infraestrutura, saúde, educação, assistência social, habitação, esporte e lazer.

Em 2009, foi eleito presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul). No momento de maior crise financeira dos municípios brasileiros, Beto liderou prefeitos em lutas importantes como a do aumento de 1% do FPM (fundo de Participação dos Municípios) e da municipalização do ITR.

O reconhecimento da luta municipalista fez com que, em 2012, fosse eleito vice-presidente da Confederação Nacional dos Municípios, sendo esta a primeira vez que um prefeito sul-mato-grossense integrasse a chapa como vice-presidente desta Instituição. Em 2014, foi eleito Deputado Estadual com 27.182 votos dos eleitores sul-mato-grossenses.